quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Mota & Companhia SA

Desta vez venho "foto-reportar" uma antiga filial da extinta Mota & Companhia S.A.(empreiteiros de obras públicas e construção civil), hoje Mota-Engil SGPS.
É um complexo de dimensão assinalável que engloba Estaleiro, Edifício de Escritórios, Vila e Igreja.

A "Vila Mota" é composta por 4 moradias (Residência dos Engenheiros), 6 prédios tipo camarata (2 apartamentos por andar, cada um com sala, wc e cozinha comuns sendo o resto quartos), 4 prédios residenciais(apartamentos normais) um Centro Social e um Campo de Futebol.

O Estaleiro divide-se em 2 armazéns(não visitáveis, eu entrei mas fui logo abordado por um homem que chegou de carro e após a explicação das minhas intenções imediatamente me comunicou que se estava à procura de locais abandonados então estava enganado porque aquilo não o estava. Eu achei estranho mas pedi desculpa e saí).

O Edifício de Escritórios está todo partido e o pouco que se aproveita, além das vistas para os campos do Mondego, só alguns corredores sombrios. Tudo o resto foi saqueado, sobrando apenas alguns placards na parede, uma fotocopiadora "arrumada" em local estratégico e alguns projetos e fotos de obras com data de 2003. Contíguo ao edifício está a Igreja, bastante bem conservada e com aspeto de ser usada ao fim de semana.

Ora bem, segundo informações que recolhi junto dos moradores da Vila e ao que indica a tipologia arquitetónica, todos estas infraestruturas terão sido edificadas no início dos anos 80 a mando do fundador da construtora Manuel A. Mota. Foi com muita mágoa que, após a desconfiança habitual, dois moradores (um deles de cajado na mão) me contaram que tudo caiu por terra após a morte do "benfeitor" Manuel A. Mota. Pois é, tal como tantos outros projetos por este país fora, o criador morre e os rebentos não continuam a "obra", foi o caso deste Lugar Esquecido.
Foi em 2004 que a Direção desta Organização resolveu deslocalizar o estaleiro para a área metropolitana de Lisboa, mais concretamente para Porto Salvo. Desde então tudo tem sido votado ao abandono e pilhado. Segundo me informaram, não raras vezes, foram encontradas pessoas a levar material. Apesar de, por duas vezes, terem sido trancadas todas as portas por funcionários da Mota-Engil, elas voltam a ser arrombadas. Hoje nada de valor sobra, somente as memórias de 6 famílias que ainda vão resistindo por aquelas bandas. É uma pena ver um local como aqueles tristemente só, principalmente o centro social com nome do criador da Vila inaugurado em 1983 pela sua esposa.

Não nos esqueçamos que tudo isto foi construido pela Construtora e para a Construtora. Edifícios construidos para durar uma vida com um baixo custo de manutenção, bem projetados e executados. Enfim, mais do mesmo neste nosso Portugal moribundo...











 





Enviar um comentário